Passado em sonho

Sabe aqueles sonhos que parecem reais? que quando a gente acorda fica com aquilo martelando na cabeça sem parar? Justo com aquela pessoa, com aquela situação, com aquele lugar. Pensando sem parar. Passado presente e futuro. Serão entrelaçados? Viveremos lado a lado? Vão se embora todas as certezas que tinha até aqui. Voltam as dúvidas, retoma o sentimento. Tenso momento. Haverá sentido? Chance? Verdade? Pelo menos uma oportunidade? de poder dizer o que penso, colocar pra fora, sem demora? Sinto medo, saudade, vontade. Mas qual a verdade? A realidade? Sim, quero expulsar esses pensamentos. Não combinam com meu momento.

Sensação de alegria

De paz e harmonia. Sensação de amor, de paz e esperança. Sensação de alegria. Todo dia. Depois de ontem e antes de amanhã resta pensar. Resta querer, resta sonhar. Apego no acreditar. São tantas marcas tantas vontades, tantas situações que fogem da realidade. É tanta verdade. Quero ser estar viver. Me envolver. Ter a certeza do saber. Que nada sei. Que nada saberei. Que as águas do mar são agitadas mas escondem a beleza da cor, da espuma e sol. Do cotidiano. Sensação de alegria, de paz e harmonia. Que seja assim todo dia.

razão e emoção

Nem sei se ainda penso alguma coisa que valha a pena escrever. Andei racionalizando tudo nos últimos tempos e deixando de lado os sentimentos. As sensações ficaram abafadas por qualquer obrigação importante de sobrevivência entre ser dona do lar, trabalhar, estudar, cuidar de filho. Me vi de repente cercada por meus próprios questionamentos. Haverá razão sem emoção? Haverá formas, por mais absorvido que se esteja pelo mundo cotidiano, de não ter sensações? Não sei. Acredito que não, pensando bem. Acredito que essa minha atual ‘mania’ de racionalizar as coisas não me torna tão fria quanto eu pensava. Acabei de perceber, recomeçando a escrever, que sim, as sensações são despertadas pelos mínimos detalhes. Por poucas palavras, pela vontade de um texto, pelo suave canto dos pássaros.

Desde ontem pensando… e sempre a pensar.

Dá pra racionalizar?

desde ontem pensando

E desde ontem fiquei pensando. No que não foi e poderia ter sido. No abraço amigo. No abrigo. Na esperança, no brilho nos olhos feito criança. Pensando que não há certezas. Apenas interrogações. Apenas espaços deixados com o tempo. Vãos, vazios. Apenas a esperança. Apenas a alegria lembrada. Desde ontem fiquei pensando no que poderia ter sido o amanhã. No que seria o hoje. Desde ontem e ainda hoje.

é quase a hora da virada

É quase a hora do balanço de 2009, de saber o que se foi, o que fica, o que de fato importou e o que foi irrelevante na roda da vida. De colocar nas gavetas aquilo que acresceu, que fez crescer, agregou, somou. O que de fato fez diferença. Colocar na lata de lixo os aborrecimentos, as mágoas, as coisas pequenas. Perceber o que é de fato importante. Pautado nas regras da vida. Da ética, do agir com o coração.

É quase hora de listar o que espera 2010, e depois da virada esperar os encaixes da vida. Entregar ao fluir. Hora de começar a agir. É quase hora de ter certeza. É quase hora do balanço, de saber como foi. De saber como será, de se planejar. E quando piscar. É quase a hora. É a hora. “Simb’óra”

falta, sobra, certezas

As vezes falta certeza de um monte de coisa. Não se sabe o que sempre se teve certeza. Não se tem certeza nem do que se sabe. Mistura tudo num só balaio, e o que é importante fica misturado ao “desimportante”. A pressa e a calmaria. O som e a alegria. Na vida as vezes falta alegria, apesar de sobrar harmonia. As vezes falta, as vezes sobra. As vezes falta o que sobrar. As vezes sobra pra depois faltar. Sobram sentimentos, faltam momentos. Sobra alegria, falta calmaria. As vezes mais do que faltar certeza de um monte de coisa, sobra certeza que a única coisa certa, é a incerteza. Mas que beleza.

esperança

Ontem eu tinha esperança…


hoje ainda tenho!

Ela será eterna. É no que acredito.

Como será o amanhã?